santo-antao-imagem

A ILHA MÍSTICA

Tudo começou na “Povoação”, actual Vila da Ribeira Grande, situada na zona norte, que acolheu a primeira urbe da ilha. Mas, hoje, ao longo dos 779 km2 que compõe o território de Santo Antão distribuem-se três municípios: Porto Novo, Ribeira Grande
e Paul. Juntos formam a segunda maior ilha do país, a mais montanhosa e, talvez, o maior “pulmão” verde de todo o arquipélago. Vales e imponentes montanhas de cortar a respiração. Rochas íngremes e escarpadas desafiadas pela população. Não se espante ao ver casas erguidas nos lugares mais inóspitos e longínquos, e sem estradas de acesso.
A cultura da ilha é ainda rica em música, artesanato e gastronomia variada. Impossível não provar os doces e licores de Lajedos, o queijo de cabra e o afamado grogue de Santo Antão. Dizem os especialistas, que é o melhor de Cabo Verde.


Aqui só se chega de barco, via São Vicente, Mindelo. O que faz ampliar o misticismo por detrás de uma viagem a Santo Antão. Uma hora de viagem é o quanto basta para chegar a esta ilha mágica. Há sua espera, Porto Novo, uma cidade piscatória e a grande porta de entrada em Santo Antão, ilha agrícola por natureza. A ilha das montanhas, como é conhecida, tem-se assumido como um dos principais destinos do Turismo de Natureza, Rural e do Eco-turismo de Cabo Verde, graças à sua diversidade paisagística e inúmeras potencialidades para a prática de desportos de natureza. Rica em miradouros, trilhos e caminhos para a prática de treckking, hiking ou simples caminhadas. É impossível não se apaixonar por Santo Antão e pelas suas gentes. Não faltam sítios e lugares a descobrir. Do Topo de Coroa (o ponto mais alto da ilha), ao Tarrafal do Monte Trigo, passando pela Cova (a caldeira de um vulcão extinto), sem esquecer o Alto Mira, Planalto Leste, Pico da Cruz, Corvo, Vale do Paul, Passagem, Farol de Lombo de Boi ou Ponta do Sol…há tanto a explorar. O difícil mesmo é arranjar energia para tanto.

À lista acrescente ainda Fontainhas, no concelho da Ribeira Grande, que em 2016 foi eleita pela National Geographic, como a segunda aldeia com a vista mais bela do mundo! Essa distinção tem atraído cada vez mais turistas e colocou Santo Antão na rota dos destino de natureza, em todo o mundo.

ARTE E CULTURA

As festas de São João de Porto Novo constituem uma das maiores tradições da ilha de Santo Antão e uma referência das Festas Juninas em todo o arquipélago. Elevadas a Património Cultural Imaterial Municipal em 2013, as festas de São João no Porto Novo atraem cada vez mais turistas e integram já a agenda Cultural do país. A festa começa no início de Junho, com a preparação dos “rosários” de São João, dos “navios” e das coladeiras e tamboreiros que vão afinando o compasso para o famoso “Kola San Jon”.

ONDE FICAR
Porto Novo, Ribeira Grande e Paul têm várias pensões, hotéis e casas de acolhimento de turismo rural, onde pode desfrutar de algumas tradições e experiências do modo de ser e de viver do cabo-verdiano. A ilha está a investir fortemente no acolhimento turístico e há cada vez mais unidades de alojamento a despontar.

ONDE COMER
A gastronomia de Santo Antão é rica e variada, não fosse uma ilha agrícola e piscatória. Peixes e mariscos, onde sobressai a tradicional Lagosta ou uma boa Garoupa grelhada, sem esquecer a famosa Cachupa de Cabo Verde ou a típica caldeirada de cabrito com feijão. À sobremesa pode sempre degustar uma fruta da época ou se render a um delicioso queijo branco de cabra acompanhado com doce ou compota de papaia ou goiaba.

ONDE COMPRAR

Em qualquer um dos três municípios vai encontrar lojas com souvenirs à base de produtos locais, como grogue, doces, compotas e licores, mas também peças de artesanato e bijuterias produzidos a partir de matérias primas naturais, por exemplo, como folha de bananeira ou sementes. As bonecas de pano ou um tambor de São João dão ótimas recordações.

 queijo-santo-antao